Modelos de gestão o que são, tipos e porquê implementar?

Modelos de gestão o que são, tipos e porquê implementar?

As empresas são organizações complexas e que precisam ser gerenciadas de forma eficiente para que atinjam todos os seus objetivos. Diante disso, escolher um dos modelos de gestão é um dos aspectos mais importantes para a estrutura e funcionamento do negócio.

O protótipo de gestão é um conjunto de princípios e práticas que orientam a forma porquê a empresa é administrada. Funciona assim: ele define a estrutura organizacional, as responsabilidades dos colaboradores e gestores, os processos de tomada de decisão e todo o restante que diga saudação a forma porquê o negócio é governado.

Pensando nisso, a Ploomes criou nascente texto para ensinar a você o que são modelos de  gestão, quais os principais tipos e de que maneira implementar o correto na sua empresa.

O que são modelos de gestão?

A escolha do protótipo de gestão simples pode contribuir para o sucesso da empresa, pois permite que ela se organize de forma eficiente e alinhada com seus objetivos de mercado.

Por outro lado, a definição do protótipo incorrecto pode prejudicar seriamente o desempenho de toda a organização e dificultar a sua adaptação às mudanças no seu setor de atuação.

Os modelos de gestão de pessoas podem ser classificados de consonância com diferentes critérios, porquê o intensidade de convergência na figura de gestores e lideranças, a participação dos colaboradores, o foco nos resultados ou o foco nos processos.

Quais são os principais modelos de gestão?

Gestão vertical

A gestão vertical é o protótipo mais tradicional de gestão, onde a poder é concentrada nas mãos dos gestores de nível superior.

Vantagens:

  • Eficiência: pode ser eficiente em empresas com processos simples e repetitivos;
  • Controle: permite um controle mais rígido das atividades da empresa.

Desvantagens:

  • Motivação: pode desmotivar os colaboradores, que têm pouca autonomia e participação nas decisões;
  • Adaptação a mudanças: pode ser lenta para se adequar a mudanças no mercado ou no envolvente interno.

Gestão nivelado

A gestão nivelado é o protótipo oposto ao vertical. Nela, a poder é distribuída de forma mais igualitária entre os colaboradores.

Vantagens:

  • Motivação: pode motivar os colaboradores, que têm maior autonomia e participação nas decisões;
  • Adaptação a mudanças: costuma ser mais rápida para se adequar a mudanças no mercado ou no envolvente interno, o que permite não permanecer detrás da concorrência.

Desvantagens:

  • Eficiência: pode ser menos eficiente em empresas com processos complexos ou que exigem um superior nível de controle;
  • Conflito: pode gerar conflitos entre os colaboradores, que podem ter diferentes interesses ou opiniões sobre a melhor maneira de executar cada processo.

Gestão meritocrática

A gestão meritocrática é um protótipo que se concentra na avaliação dos colaboradores com base no seu desempenho individual.

Nesse protótipo, os profissionais são recompensados de consonância com o seu valor, ou seja, com base nos resultados que eles alcançam.

As vantagens da gestão meritocrática incluem:

  • Motivação dos colaboradores: servindo de incentivo para que trabalhem mais e se esforcem para perceber resultados melhores;
  • Eficiência: ajudando a empresa a perceber seus objetivos, ao recompensar os colaboradores que contribuem mais para o sucesso da empresa.

As desvantagens da gestão meritocrática incluem:

  • Subjetividade: a avaliação do desempenho individual pode ser subjetiva, o que pode levar a injustiças;
  • Concorrência: a gestão meritocrática pode gerar uma competição excessiva entre os colaboradores, o que pode prejudicar o clima organizacional.

Outros modelos de gestão

  • Gestão autocrática: é o protótipo mais dominante, geralmente presente dentro do protótipo vertical, em que os colaboradores têm pouca participação nas decisões da empresa;
  • Gestão democrática: é o protótipo mais participativo, presente na gestão nivelado, em que os colaboradores têm grande participação nas decisões da empresa.

De consonância com o foco nos resultados, também existe outra forma de dividir os modelos de gestão, que são:

  • Gestão por resultados: é o protótipo que se concentra na obtenção de resultados. Os colaboradores são avaliados de consonância com o desempenho que contribuem para o alcance dos objetivos da empresa.
  • Gestão por processos: é o protótipo que se concentra na melhoria dos processos. Os colaboradores são avaliados de consonância com a sua tributo para a eficiência e eficiência dos processos da empresa.

Qual o protótipo de gestão escolher para sua empresa?

Se todos os modelos têm vantagens e desvantagens, porquê saber qual é o melhor para escolher e infligir na sua empresa?

Na verdade, essa não é uma questão tão difícil. Mesmo que existam desvantagens, o fator determinante é a forma porquê o negócio desenvolve seu protótipo de gestão.

Por exemplo, zero impede que uma gestão meritocrática seja eficientedesde que os critérios para recompensar os colaboradores estejam explícitos a todos.

Mas há, porém, alguns pontos importantes para estabelecer antes de tomar a decisão final, que são:

Siga os valores da empresa

A cultura e os valores da empresa devem estar alinhados com o protótipo de gestão escolhido. Lembre-se de que para os clientes a identidade da marca conta muito, finalmente, é a maneira porquê eles se lembram dela.

O tipo de atividade do negócio

O protótipo de gestão deve ser adequado ao tipo de atividade da empresa, considerando a dificuldade dos seus processos e a urgência de controle.

Para a cultura organizacional

A cultura organizacional da empresa também deve ser considerada, para evitar conflitos ou resistência à mudança por segmento dos colaboradores.

Nesse momento, pode passar a teoria de contratar uma novidade equipe caso a atual não se adapte às mudanças, mas lembre que isso gera gastos extras e quebra totalmente o ritmo de produtividade.

As metas e os objetivos do negócio

O protótipo de gestão deve ser desempenado com as metas e os objetivos do negócio, para prometer que a empresa os alcance. Por exemplo:

  • Faça uma estudo da empresa: avalie os valores, a cultura, o tipo de atividade, as metas e os objetivos da empresa;
  • Pesquise sobre diferentes modelos de gestão: conheça as características e as vantagens e desvantagens de cada protótipo;
  • Converse com especialistas: busque orientação de consultores ou especialistas em gestão.

A implementação de um novo protótipo de gestão é um processo múltiplo que requer planejamento e preparação.

Tenha em mente que isso não é um pouco que vai se resolver da noite para o dia. Portanto, dar tempo ao tempo é forçoso para não fazer zero às pressas e percorrer o risco de comprometer todo o trabalho.

Planejamento e preparação para a implementação

Em primeiro lugar, defina os objetivos da implementação, ou seja, o que você espera perceber com a implementação do novo protótipo de gestão.

Na sequência, identifique os stakeholders, que são os principais interessados na implementação do novo protótipo de gestão.

Por último, desenvolva um projecto de implementação detalhado que define as etapas, os prazos e os responsáveis pela implementação.

Informação e envolvimento dos membros da equipe

Comunique a mudança aos colaboradores, explicando a eles os motivos para ela e os benefícios do novo protótipo de gestão. Envolvê-los no processo ajuda a prometer o esteio deles.

Treinamento e capacitação necessários

Identifique as necessidades de treinamento, as habilidades e os conhecimentos que os colaboradores precisam desenvolver para trabalhar no novo protótipo de gestão.

Ofereça treinamento e capacitação aos profissionais para ajudá-los a se adequar ao novo método de trabalho.

Monitoramento e ajustes ao longo do processo

Monitore o processo de implementação para prometer que ele esteja ocorrendo conforme o planejado. Faça ajustes necessários ao projecto, conforme necessário.

Mensuração de resultados e avaliação da eficiência do protótipo de gestão

Posteriormente a implementação do novo protótipo de gestão, é importante medir os resultados e estabelecer a sua eficiência. A seguir, são apresentadas algumas métricas que podem ser usadas para medir os resultados da implementação de um protótipo de gestão:

  • Eficiência: redução de custos, aumento da produtividade, etc;
  • Eficiência: alcance das metas e dos objetivos, satisfação dos clientes, etc;
  • Motivação dos colaboradores: engajamento, satisfação, etc.

A avaliação da eficiência do protótipo de gestão deve ser feita de forma periódica, para identificar as áreas que precisam de melhorias.

Uma vez que você viu, o protótipo de gestão é um componente forçoso para o sucesso de uma empresa. A escolha dele depende de uma série de fatores, que devem ser cuidadosamente avaliados e planejados.

Com as ferramentas certas, no entanto, é verosímil facilitar a sua  gestão e torná-la mais simples para todos os colaboradores. Por isso, a Ploomes criou um texto individual, com seis dicas de softwares para deixar sua empresa mais eficiente.

Conheça agora mesmo e mude a forma porquê você administra o seu negócio e a sua equipe!