Gestão da Qualidade: conceito, pilares e vantagens

Oferecer uma boa solução aos consumidores depende, sobretudo, da qualidade do resultado ofertado pela empresa.

Acontece que, para chegar ao resultado final, há uma série de processos que atuam na confecção desses ativos, garantindo que eles cheguem da forma que foram projetados pela organização.

Assim, é papel da gestão da qualidade testificar que os produtos sejam entregues de convenção com as expectativas determinadas previamente.

No entanto, conseguir a superioridade operacional é um trabalho que envolve toda a equipe, o mapeamento dos processos e um comitiva contínuo da compasso operacional.

Continue lendo e saiba uma vez que a gestão da qualidade pode ser empregada no seu negócio!

O que é gestão da qualidade?

Conjunto de práticas e estratégias voltadas para a supervisão das atividades, a gestão da qualidade ajuda a efetuar o controle das tarefas e processos envolvidos na elaboração de produtos ou serviços.

Dessa forma, para conseguir esse término, a gestão da qualidade engloba duas vertentes essenciais: a garantia da qualidade e a melhoria contínua da qualidade.

A garantia da qualidade concentra-se em estabelecer padrões e procedimentos que visam prometer que essas entregas atendam aos requisitos de qualidade definidos.

Eu e melhoria contínua da qualidade refere-se a um esforço estável para aprimorar os processos existentes, identificando oportunidades de aperfeiçoamento e implementando mudanças positivas.

Esse enfoque procura atender à satisfação dos clientes, promovendo uma evolução estável na qualidade dos produtos ou serviços oferecidos.

História e evolução da gestão da qualidade

A história e evolução da gestão da qualidade apresentam marcos significativos que foram fundamentais para as práticas atuais. Até o século XVII, não havia um padrão estabelecido para as mercadorias, resultando em variações na qualidade dos produtos disponíveis no mercado.

A partir do século XVII, o transacção europeu experimentou um sobranceiro prolongamento, impulsionando o aumento da produção. Nesse período, surgiram as primeiras fábricas, sinalizando uma mudança na forma uma vez que os bens eram produzidos em larga graduação.

A Revolução Industrial também trouxe consigo avanços tecnológicos e transformações nos métodos de produção.

Esse período foi determinante para a evolução desse recurso, à medida que as organizações buscavam maneiras de melhorar a eficiência e padronizar processos.

Já durante a Segunda Guerra Mundial, ela adquiriu uma influência ainda maior. A urgência de emendar erros nas fabricações dos produtos bélicos levou ao desenvolvimento do controle de processos, visando prometer a qualidade e a confiabilidade dos equipamentos militares.

Em 1931, o físico e engenheiro Walter Andrew Shewhart conduziu um estudo pioneiro sobre a qualidade nas indústrias, destacando a influência de calcular e aprimorar os processos de produção.

Com a geração do ciclo PDCA, tornou-se mais simples planejar, implementar, calcular e aprimorar continuamente os processos organizacionais.

Prestígio e benefícios da gestão da qualidade para as empresas

A gestão da qualidade atua diretamente no prolongamento e sucesso das empresas, proporcionando uma série de benefícios que podem impactar na qualidade do negócio. Algumas das razões pelas quais essa utensílio é tão importante incluem:

Melhoria contínua

A gestão da qualidade adota a filosofia de melhoria contínua, incentivando as empresas a identificarem sempre áreas para aprimoramento.

Esse processo leva em conta a capacidade de fornecer feedbacks, avaliações de desempenho e ajustes nos processos para conseguir níveis mais altos de eficiência e qualidade.

Redução de custos e desperdícios

A gestão da qualidade tem uma vez que principal objetivo a eficiência operacional, resultando na redução de custos e minimização de desperdícios.

Além de envolver a identificação de processos desnecessários, é provável reduzir o retrabalho e promover a utilização mais eficiente dos recursos disponíveis.

Aumento da satisfação do cliente e fidelização

Produtos de subida qualidade, resultantes da gestão da qualidade, tendem a superar as expectativas dos clientes.

Aumentando os níveis de satisfação do cliente, as chances de fidelização e recomendação da marca acabam sendo maiores.

Maior competitividade no mercado

Empresas que adotam práticas de gestão da qualidade se destacam pela superioridade em produtos, serviços e operações.

Ao gerar uma vantagem competitiva, fica fácil atrair clientes, parceiros e investidores, e fortalecer a posição da empresa não mercado.

Os 8 pilares fundamentais para a gestão da qualidade

Os 8 pilares fundamentais para a gestão da qualidade são base fundamental das organizações, proporcionando uma estrutura sólida para conseguir a superioridade em todas as frentes do negócio.

Embora inicialmente tenham sido 8 pilares, a revisão da ISO 9001 em 2015 consolidou-os em 7, unindo “visão sistêmica” e “gerenciamento de processos”. Conheça, a seguir, cada um desses pilares:

1. Foco não no consumidor

A ênfase na satisfação do cliente e na superação de suas expectativas caracteriza o primeiro pilar.

Estabelecer padrões de qualidade requer compreensão profunda das necessidades dos clientes, possibilitando respostas ágeis para ajustar os produtos de convenção com as demandas do consumidor.

2. Liderança

A liderança eficiente engloba a geração de um envolvente de trabalho saudável, a transmissão da cultura organizacional e a promoção de desempenho colaborativo e produtivo.

Antecipar problemas, motivar a equipe a atingir objetivos e estimular a originalidade e inovação são aspectos fundamentais para que os resultados sejam alcançados.

3. Melhoria contínua

Nascente pilar destaca a procura estável pela otimização dos processos, a modernização dos métodos de trabalho e a emprego do ciclo PDCA para resolver problemas e aprimorar continuamente o desempenho organizacional.

4. Gestão de relacionamento

O fortalecimento de relacionamentos com clientes, fornecedores e colaboradores é forçoso para erigir e manter parcerias sólidascontribuindo para a eficiência da gestão da qualidade.

5. Tomada de decisão baseada em fatos

A utilização de dados concretos na tomada de decisões é um elemento imprescindível em qualquer padrão de gestão. Na qualidade, promove uma estudo embasada em indicadores para evitar decisões baseadas em suposições ou achismos.

6. Visão sistêmica

A compreensão clara de toda a organização e de fatores externos é forçoso para manter a saúde da empresa. Assim, é necessário calcular o impacto na gestão financeira, lucratividade e compreender os processos e seu impacto no negócio.

7. Gerenciamento por processos

Mapear atividades operacionais, estabelecer ações estratégicas para melhorar o desempenho e emendar falhas devem estar presentes no gerenciamento por processos.

Além de contribuir para a implementação de melhorias, o controle de indicadores também é civilizado.

8. Engajamento dos colaboradores

O envolvimento de todos os colaboradores é fundamental para que as estratégias de gestão da qualidade sejam implementadas de forma satisfatória.

Compreender o impacto de seu trabalho, manter compromisso com as metas organizacionais e investir em capacitação e treinamento são elementos indispensáveis para prometer a qualidade no processo produtivo.

Implementação de um sistema de gestão da qualidade

A implementação eficiente de um sistema de gestão da qualidade é uma aliada para testificar a eficiência dos processos ao longo da trajetória da empresa. Para isso, é forçoso seguir algumas etapas fundamentais:

Definição de objetivos e metas

A gestão da qualidade é construída a partir de processos muito delineados, alinhados com metas e objetivos específicos.

Assim, todos os membros da organização devem estar plenamente cientes desses objetivos, compreendendo a influência de cada passo na consecução do sucesso universal da empresa.

Nesta lanço, o mapeamento detalhado dos processos em cada espaço vai prometer a tributo de todos os colaboradores para o alcance desses objetivos.

Engajamento da liderança e equipe

O sucesso na implementação do sistema de gestão da qualidade depende, em grande medida, do engajamento ativo tanto da liderança quanto da equipe.

Os colaboradores precisam compreender a relevância das estratégias em realização, promovendo uma visão clara do propósito da organização.

Cá, é fundamental que as lideranças estejam atentas aos processos, acompanhando de perto os resultados para prometer o cumprimento das metas e objetivos estabelecidos.

Identificação e mapeamento de processos

A compreensão clara das etapas que compõem o negócio é forçoso para otimizar efetivamente os processos.

Somente através desta perspicuidade é provável identificar a relação entre os diferentes processos e encontrar possíveis gargalos.

A estudo aprofundada de cada departamento, incluindo informações críticas, colaboradores envolvidos, fluxo de trabalho, competências e recursos disponíveis, é uma prática forçoso nesse contexto.

Documentação de procedimentos e políticas

Além do comitiva estável dos resultados, documentar minuciosamente todos os procedimentos e políticas adotadas pela empresa é uma prática que não pode ser deixada de lado em um sistema de gestão da qualidade.

Essa documentação não somente fornece um registro tangível das práticas organizacionais, mas também serve uma vez que guia para a consistência e conformidade ao longo do tempo.

Ferramentas da gestão da qualidade

As ferramentas da gestão da qualidade auxiliam na identificação, mensuração e superação de desafios que podem impedir o prolongamento de uma empresa. Dentre as ferramentas mais utilizadas, destacam-se:

Diagrama de Ishikawa

O Diagrama de Ishikawa, também sabido uma vez que Espinha de Peixe, é uma utensílio eficiente para a identificação das causas de problemas.

Utilizando categorias uma vez que método, matéria-prima, máquina, mão de obra, medida e meio envolvente, essa técnica facilita a identificação das raízes dos problemas, permitindo a procura por soluções efetivas.

Fluxogramas

Os fluxogramas proporcionam uma visão ampla dos processos, principalmente aqueles relacionados à produção de ativos.

Ao oferecer uma representação visual de todas as etapas, com o auxílio de símbolos, figuras geométricas e setas, os fluxogramas atribuem transparência às operações, assegurando que todos os envolvidos estejam alinhados e compreendam o fluxo de trabalho.

Cartas de controle estatístico de processos

Essa utensílio é utilizada para seguir o nível de qualidade de um processo ao longo de um período específico.

A epístola de controle estatístico de processos permite identificar alterações nos processos e indica falhas que demandam atenção, contribuindo para a manutenção da qualidade das produções.

5W2H

Por término, o 5W2H é uma utensílio que visa prescrever estratégias para solucionar problemas e melhorar a eficiência da empresa.

Através de perguntas, uma vez que o que será feito, por quê, onde, quando, quem será o responsável, uma vez que será feito e quanto custará, o 5W2H proporciona um projecto de ação detalhado, reduzindo o retrabalho e aumentando a competitividade do negócio.

Papel da tecnologia na gestão da qualidade

Na era da Indústria 4.0, a tecnologia é uma aliada na gestão da qualidade, permitindo a automação, otimização e estudo de processos.

A coleta de dados em tempo real tem o poder de identificar áreas de melhoria e permitindo a emprego de ações corretivas.

Enquanto isso, as ferramentas analíticas e perceptibilidade sintético oferecem insights aprofundados sobre o desempenho do negócio, contribuindo para uma gestão mais eficiente e tomada de decisões baseada em dados.

Desfecho

Ficou clara a influência da gestão da qualidade nas empresas, principalmente quando o objecto é a satisfação dos clientes e a sua fidelização.

Aliás, quando empregada de maneira eficiente,seu impacto se reflete no prolongamento contínuo das organizações, superando as expectativas do cliente. Mas e a gestão da qualidade na indústria? Clique no link para conferir 7 orientações que você deve seguir para uma boa gestão da qualidade nesse setor!